Um estudo realizado por investigadores do Instituto de Investigação do Medicamento da Universidade Lisboa com uma amostra de cerca de 500 grávidas da Ilha da Madeira revela que 30% têm níveis de mercúrio no sangue acima do valor considerado seguro pela OMS.

As mulheres grávidas da ilha da Madeira apresentam um elevado Índice de Risco de exposição a mercúrio (Hg) de acordo com resultados obtidos por investigadores do Instituto de Investigação do Medicamento da Universidade de Lisboa.

O estudo liderado por Cristina Carvalho, Professora Associada da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, e que se encontra actualmente em fase de preparação para publicação, analisou entre 2012 e 2015 amostras de sangue em mais de 500 mulheres grávidas e em amostras do cordão umbilical, tendo verificado que cerca de um terço das mulheres apresentava níveis de Hg no sangue acima do limite considerado seguro para o feto, pela Organização Mundial de Saúde.

O mercúrio existe na natureza em várias formas sendo o consumo de peixe a principal via de exposição humana. Embora a população em causa nesta investigação não apresente um consumo de peixe superior ao relatado noutros estudos em território nacional, o facto de consumirem com elevada frequência espécies naturalmente ricas neste contaminante (e.g. peixe-espada preto) faz com que os níveis de exposição se encontrem acima do recomendado.

Dado que o desenvolvimento intra-uterino e o período neonatal são fases muito sensíveis à toxicidade do Hg, as mulheres grávidas ou em fase de amamentação devem evitar consumir espécies de peixe susceptíveis de apresentarem níveis elevados de Hg, como o já mencionado peixe-espada preto, o espadarte ou o atum fresco. Contudo, não devem abandonar o consumo de peixe, uma vez que este é um alimento com muitas mais-valias nutricionais por conter ácidos gordos poli-insaturados, selénio e proteínas de elevado valor biológico, essenciais ao desenvolvimento. Nesse sentido, as mulheres grávidas devem optar por consumir espécies como a sardinha, salmão ou a dourada colhendo assim os benefícios nutricionais e evitando a exposição a níveis elevados de Hg.